Busca no Site

Interativos

Receba nossas novidades



Receber em HTML?

Enquete

Sacerdócio Feminino
 

Compartilhe este site

Faça um pedido de oração





  
Informe o código de segurança para confirmar:
 

Lourdes - Santa Bernadete PDF Imprimir E-mail
Escrito por Elbson do Carmo   

Do dia 16 de junho de 1858, data da última Aparição de Nossa Senhora, até junho de 1866, quando iniciou sua viagem para entrar no Convento de Saint Gildard em Nevers, conviveu com as Irmãs do Hospício, na sua cidade, freqüentou a escola onde adquiriu um pouco de instrução e exercitou um profícuo apostolado junto aos doentes internos.

Mas foi também um período difícil de sua vida, porque era solicitada e importunada em todos os momentos, por curiosos, por pessoas que queriam o seu autógrafo, queriam vê-Ia, assim como tocar-lhe e fazer-lhe perguntas.

Foi assediada também por diversas Ordens Religiosas que a queriam, cada uma desejava que ela entrasse em sua Comunidade. Mas inicialmente, preferiu continuar ao lado dos pais e irmãos. Com o passar do tempo e o sempre crescente número de visitantes, fizeram com que sentisse a necessidade de isolar-se, para poder trabalhar, para ser útil de alguma forma e não ficasse apenas como um objeto de admiração pública. Por esse motivo começou a pensar em ingressar num Convento. Mas havia outros problemas que interferia e dificultava a sua decisão: a asma crônica, sua pobreza que não lhe permitia ter um dote e a falta de instrução.

Entretanto, com o passar dos meses a convivência em casa estava tornando-se impossível, em face dos motivos mencionados, por isso decidiu-se e escreveu para Nevers pedindo autorização para entrar no Convento. A resposta veio positiva.

Em 7 de julho de 1866, às 22 horas e 30 minutos, desembarcava na estação ferroviária de Nevers, acompanhada de mais duas postulantes, Maria e Leontina, e de duas Superioras da Comunidade.

No dia 8 de dezembro teve uma grande tristeza com a noticia da morte de sua mãe Luisa com 41 anos de idade.

Bernadete encontrou em sua vida de Convento as dificuldades naturais que o ciúme pode causar a algumas pessoas , por ter sido ela a preferida da Virgem Mãe, apesar de ser tão modesta, simples e sem qualquer instrução.

E foi com muito sofrimento, com um imenso amor pelo próximo, um perseverante espírito de disciplina e obediência inigualáveis, que conseguiu superar todos os momentos difíceis.

Respeitosamente acatava as decisões e as ordens das Superioras, mesmo que ás vezes denotassem um excesso de rigor ou que fossem na maioria das vezes ofensivas, aceitando-as sem discuti-las, com um singelo sorriso.

No dia 30 de Outubro de 1867 fez a sua "Profissão de Fé". Sua voz era firme e sem afetação. Compromete-se por toda a vida a praticar a pobreza, a castidade, obediência e caridade.

Foi escolhido para ela o emprego da Oração e auxiliar na Enfermaria da Casa Mãe.

Com a morte da Enfermeira Chefe Irmã Marta a 8 de Dezembro de 1872, por iniciativa própria, assumiu a responsabilidade da Enfermaria, sem nomeação das Superioras, tomando sobre si todas as tarefas e atribuições da função. É assim que organizou a Enfermaria, colocou rótulos nos produtos relacionou as diversas poções, escrevendo as formulas, tudo com capricho e interesse. E também, com invulgar dispensava atenção e carinho a todas que necessitavam de seus serviços.

No dia 4 de março de 1871 recebeu um telegrama que trazia a notícia da morte de seu pai. Chorou muito, com imensa saudade dele. Dias depois escreveu à Maria sua irmã:

"Venho chorar contigo. Fiquemos no entanto submissas, embora bem desgostosas, à mão paternal que nos bate tão duramente há algum tempo. Levemos e beijemos a Cruz".

A 3 de junho de 1873 tem uma recaída muito séria. Ninguém duvida de que vai morrer. Recebe a Extrema Unção pela terceira vez. No entanto, dias depois, melhorou e voltou a rir e a ter disposição para o seu trabalho na Enfermaria.

A 11 de dezembro de 1878, deita-se definitivamente na sua "Capela Branca", como chamava o seu leito na sala da enfermaria, porque ele possuía um grande cortinado que o envolvia. Colocou próximo a imagem de São Bernardo de Claraval, seu padrinho de batismo.

Padre Febvre, seu último confessor e que constantemente estava em sua companhia, enumera as suas enfermidades:

- "Uma asma crônica, dilacerante do peito, acompanhada de vômitos de sangue que duraram dois anos. Tinha aneurisma (desenvolvimento da aorta), uma gastralgia, um tumor no joelho... Enfim, durante os dois últimos anos, a cárie dos ossos, de forma que seu pobre corpo era o receptáculo de todas as dores. Também, formaram-se abcessos nos ouvidos da Irmã Maria Bernarda que a afligiram com uma surdez parcial que lhe foi muito custosa e não cessou senão algum tempo antes da morte.

A partir de seus votos perpétuos, a 22 de setembro de 1878, os sofrimentos redobraram de intensidade e não cessaram senão com a morte. A sua ambição, que escondia e não permitia que as pessoas soubessem, era o seu imenso desejo de ser uma vítima para Coração de Jesus.

MORTE DE BERNADETE

 

 - No dia 28 de março de 1879, pela quarta vez recebeu a Extrema Unção. Protestou:

- "Curei-me todas as vezes que a recebi".

Depois do Santo Viático ministrado pelo Padre Febvre, disse:

- "Minha querida Madre, peço-lhe perdão por todos os sofrimentos que lhe causei, com minhas infidelidades na vida religiosa e peço também perdão às minhas companheiras dos maus exemplos que lhes dei... sobretudo com o meu orgulho"!

Durante a Semana Santa, celebrada do dia 6 ao dia 13 de abril, os escarros agravaram-se e ela pede um "alívio" .

- "Se pudesse encontrar na sua farmácia qualquer coisa para aliviar os meus rins, estou toda esfolada".

E de outra vez manifestou-se assim:

- "Procure então nas suas drogas... qualquer coisa para me fortificar. Não tenho forças nem para respirar. Mande-me vinagre bem forte para cheirar".

Depois mandou tirar todas as imagens e estampas de Santos que ornavam o seu quarto.

- "Este me basta" (mostrou o Crucifixo).

Por fim, às 15 horas do dia 16 de abril de 1879, ainda jovem com 35 anos de idade, morreu Bernadete depois de um intenso e penoso sofrimento que lhe impuseram seus diversos males.

"Fez um grande sinal da Cruz, pegou no copo contendo a bebida fortificante que lhe apresentaram, toma por duas vezes algumas gotas e inclinando a cabeça, entrega docemente a sua alma."

Tão pura e com tanto amor a Deus e à Virgem Maria, que tinha receios, mesmo involuntariamente, de os ofender. Isto transformou para ela num grande drama moral, que a atordoou bastante, nos últimos dias de vida.

Viveu como manda o Evangelho e ofereceu exemplos de vida para todas ocasiões e para o mundo viver o conteúdo da mensagem divina, que ela recebeu na gruta de Massabieille: "Pobreza, Oração e Penitência" . 0 seu encanto transparece mais visível e brilhante, nos milagres que ocorreram por sua intercessão e que fizerem com que ela fosse proclamada Santa, antes mesmo de ser canonizada.

PRECIOSA INTERCESSÃO

 - De uma infinidade de acontecimentos marcantes, vamos relembrar aqui, apenas alguns que possuem características absolutamente sobrenaturais.

A Superiora do Hospício de Lourdes, Madre Alexandrina Roques, sofreu após uma queda, uma torcedura que a condena a longo repouso , num período difícil, de muito trabalho, quando era muito solicitada por suas ocupações. Manda chamar Bernadete e lhe diz:

- "Não posso ficar de cama estas cinco semanas, sobretudo neste momento em que aqui há tanto o que fazer. É preciso que a Santa Virgem me cure e ponha de pé. Vai lhe dizer isto na Capela".

E ela foi.

No dia seguinte, a Superiora estava de pé, sem a torcedura, para espanto do médico, que contudo, já devia ter visto coisas idênticas e outras até mais extraordinárias, em Massabieille.

Em outra oportunidade, em Nevers, uma mãe cujo filho morria, vai até o Convento e leva a coberta do berço da criança, com pretexto de que o bordado não estava terminado. Conversa com a Madre Superiora e lhe suplica que dê a Irmã Maria Bernarda para acabá-lo. A Madre concordou e levou a coberta onde ela se encontrava com as outras irmãs, e disse:

- "Está aqui uma coberta cujo bordado está errado; a dama que o trouxe pergunta se alguma de vocês poderia consertá-lo"?

- "Isto é fácil" - responde Bernadete, sempre viva e pronta a gracejar. - "Essas belas damas da sociedade enganam-se no seu trabalho e somos nós que o temos de arranjar. Enfim, apesar de tudo, dê-o cá; vou tentar consertar isso".

E a mãe do pequenino doente, já desenganado pelos médicos, passou a coberta sobre o berço, e seu filho ficou logo milagrosamente curado.

Aconteceu em outra oportunidade, que uma mãe com sua filha portando uma incurável enfermidade que a impedia de andar, decidiu levá-la ao Convento, porque a medicina nada mais podia fazer por ela. Entendeu-se com a Superiora, que logo depois chamou Bernadete:

- "Irmã Maria Bernarda, quer tomar nos braços esta criança, enquanto eu falo com esta senhora? Sobretudo, não a ponha no chão".

Ela afastou-se com a criança para debaixo dos castanheiros; quando a Superiora veio procurá-la, encontrou-a chorando, com receios de ser censurada. A criança debatera-se de tal modo nos seus braços, que se viu obrigada apesar da proibição, colocá-la no chão, por onde andava e corria com toda alegria, em volta dela. A mãe ficou emocionada e chorou de satisfação, enquanto a Superiora apressadamente mandou Bernadete dar um recado na outra extremidade do Convento, para preservar a sua humildade.

A criança estava totalmente curada, sorria descontraída e satisfeita brincava ao redor de sua mãe.

Assim, Nosso Senhor aliviava os sofrimentos das pessoas que tinham fé pela intercessão de Nossa Senhora, concedendo as graças ao suplicante através das mãos inocentes de Bernadete.

0 maravilhoso manifestava-se sempre de tal modo, que para ela, de um modo geral, permanecia ignorado.

Depois de sua morte, os milagres multiplicaram-se em torno de seu túmulo, com uma freqüência notável.

Os muros de sua capela funerária, estão hoje repletos de "ex-votos", emblemas vivos de sua eficaz mediação junto à Mãe de Deus . Ela também fazia maravilhas ao longe, mesmo sem intervenção de relíquias e de imagens, tendo sem cessar, feito prevalecer a força e o poder do espírito.

Trinta anos após sua morte, em 22 de setembro de 1909, foi aberto o caixão para reconhecer os despojos mortais. Seu corpo estava intacto, a tez estava branca.

A 13 de abril de 1925, exumaram-na pela última vez, Bemadete, ainda intacta, parecia que estava adormecida. Cobriram sua face e suas mãos com cera e a colocaram sobre cetim, seda e rendas, na Capela, onde hoje encontra-se à veneração de todos, no Convento de Saint Gildard, em Nevers, na região do Loire, na França.