Cadê Maria, hein?

Em setembro de 2000 foi publicada uma série de três artigos sobre Maria na Folha Universal, jornal da Igreja Universal do Reino de Deus. A última parte da série, foi respondida por mim num e-mail aos responsáveis pelo jornal e à autora. Analisemos a partir de agora as partes mais importantes do texto e da resposta.

Folha Universal:

 Continuo respondendo ao católico que tenta me destratar e colocar a “Virgem Santíssima” nas alturas:

 Católico: “…Porque, ao contrário de gente pretensiosa e boba como você, Maria não se apegava a coisas pequenas e não se atrevia a julgar ninguém…”

Resposta: Será mesmo que Maria não se apegava a coisas pequenas e nem se atrevia a julgar ninguém? A verdade é que ela até sabia julgar as pessoas… e erroneamente. Pois julgou que Jesus estava louco, segundo consta em Marcos 3,21: “…saíram para o prender; porque diziam: Está fora de si”.

 

Carlão:

Caros senhores responsáveis pela redação e publicação do jornal “FOLHA UNIVERSAL”,

 Escrevo hoje esta mensagem, pois me acho no dever de me pronunciar a respeito da improfícua coluna nomeada “CADÊ MARIA, HEIN? (final)” publicada neste jornal de edição número 441 de 17 a 23 de setembro de 2000.

 Costumo às vezes apanhar uma edição deste jornal para ler e pesquisar sobre a Igreja Universal do Reino de Deus. Confesso que por algumas vezes pude concordar com vários temas publicados de ordem religiosa. Sendo que nesta edição que citei acima, me surpreendi com a coluna escrita pela senhora Mary Schultze que se diz pesquisadora de religião. Surpreendi-me em três momentos: o primeiro foi quando percebi o grau literário tão vil deste artigo, que quando lemos não sabemos distinguí-lo de uma redação infantil meramente escolar. O segundo momento de minha surpresa foi ao perceber que um jornal que se auto intitula “A SERVIÇO DE DEUS” tenha a petulância de publicar um artigo em que só faz desmerecer e enxotar àquela que o Evangelho chama de “cheia de graça” (Lc 1,28). E o terceiro momento de minha surpresa foi ao perceber erros grosseiros da interpretação da Bíblia publicados neste artigo. Com certeza ninguém é obrigado a gostar de Maria. De jeito nenhum! Mas isso não justifica a falta de competência na leitura da Bíblia que foi facilmente demonstrada pelos senhores ao publicarem uma matéria extremamente frívola.

 Mas assim como eu falo, eu provo.

 No terceiro parágrafo do artigo, a senhora Mary Schultze afirma que Maria julgava a Jesus o chamando de “louco”. E incluiu nisto o texto de Mc 3,21 em que lemos: “saíram para o prender; porque diziam: Está fora de si”. A senhora Mary afirmou que Maria estava incluída na turma que saiu para prender a Jesus. Ora meus caros, é bem clara a Bíblia para quem a sabe estudar. Todos nós sabemos que o primeiro milagre de Jesus ocorreu na festa de casamento nas bodas de Caná. Pois foi a sua primeira semana de evangelização. É só pegar o Evangelho de João e conferir dia por dia da sua primeira semana: 1o dia- Jo 1,35-42; 2o dia- Jo 1,43-51 e o 3o dia- Jo 2,1-12 (o primeiro milagre). Todos nós sabemos também que Maria foi quem solicitou a Jesus para que fizesse tal milagre (Jo 2,3) e que acreditava totalmente n’Ele, pois disse aos serventes: “Fazei tudo o que Ele vos disser” (Jo 2,5). Se este ocorrido foi a primeira manifestação da glória de Jesus, é lógico que foi após este acontecimento que Jesus voltou para a sua terra como diz o texto: “E voltou para casa” (Mc 3,20) e aí sim, começou a curar as pessoas e foi censurado por isso por seus familiares. Já que Maria esteve presente no primeiro milagre de Jesus, e até contribuiu para a glória de seu Filho, como é que ela agora estaria achando que Ele havia ficado louco? Ao contrário do que escreveu esta senhora, a Bíblia por diversas vezes cita a falta de fé dos irmãos de Jesus como em Jo 7,5, mas em nenhum momento diz que Maria duvidou d’Ele. Muito pelo contrário, o Evangelho de Lucas é claro: “Maria, contudo, conservava cuidadosamente todos esses acontecimentos e os meditava em seu coração”. (Lc 2,19). As coisas são muito claras para quem estuda. Antes de escrevermos algo, devemos estudar sobre tal para que assim possamos oferecer algo confiável e verdadeiro aos leitores.

 

Folha Universal:

Maria nasceu pecadora (Rm 3,23) e, ainda cometeu vários pecados e um deles foi o abandono, quando deixou para trás, o Filho de Deus em Jerusalém. Creio que, se Maria tivesse cometido esse pecado na América do Norte, em nossos dias, onde as leis funcionam de verdade, ela teia recebido um severo castigo dos grupos zelosos da boa conduta familiar, além de multa e de uma provável prisão temporária, por negligência infantil. Como você vê, Maria era uma mulher judia comum, igual às outras. Não foi “mais bendita do que todas as mulheres” mas apenas “entre as mulheres”. E, graças a Deus, porque se fosse uma bendita senhora americana, ela estaria em maus lençóis…

 

Carlão:

 Ainda no terceiro parágrafo, a senhora Mary Schultze diz que Maria cometeu vários pecados, e que um deles foi quando abandonou o seu Filho em Jerusalém. A senhora Mary ainda fala a respeito das possíveis penas que Maria sofreria se vivesse na América do Norte por crime de negligência infantil. Ela só pode ter escrito isso em tom de brincadeira. Duvido que uma pesquisadora de religião tenha escrito uma pornografia desta com seriedade. Mas vamos à Bíblia. O texto em que a senhora pesquisadora se refere é Lc 2,41-50. Solicito aos senhores para abrirem as suas Bíblias e junto comigo conferir a citação. Maria não abandonou Jesus, leiamos Lc 2,43-44: “Terminados os dias, eles (Maria e José) voltaram, mas o menino Jesus ficou em Jerusalém, sem que seus pais o notassem. Pensando que Ele estivesse na caravana, andaram o caminho de um dia, e puseram-se a procurá-lo entre os parentes e conhecidos Se Maria tivesse abandonado seu Filho ela o procuraria? Mas vamos ler mais: E não o encontrando, seus pais voltaram a Jerusalém a sua procura.(Lc 2,45). E segundo o texto, Maria e José procuraram a Jesus por três dias (Lc 2,46). Mas a maior comprovação de que Maria não teve culpa alguma nesse episódio está em Lc 2,48: “Ao vê-lo ficaram surpresos, e sua mãe lhe disse: “Meu filho, por que agiste assim conosco? Olha que teu pai e eu, aflitos, te procurávamos. Será que esta frase de Maria é uma frase mentirosa? Se fosse mentirosa esta aflição de Maria e José, Jesus com certeza os desmentiria. Não acham?

 Finalizando o terceiro parágrafo do questionável artigo, a pesquisadora de religião diz que Maria não foi “mais bendita do que todas as mulheres”, mas apenas “entre as mulheres”. Sinceramente não vejo isso como motivo para diminuir a importância de Maria. Lucas, por exemplo, fez questão de ressaltar a alegria e o respeito com o que Isabel tratou Maria: “Donde me vem a honra que a mãe do meu Senhor me visite?” (Lc 1,43). Isabel não se achava digna de receber a visita da mãe do Senhor, ou seja, da mãe de Deus. E o texto ainda é claro ao afirmar que a saudação da mãe de Deus traz uma enorme alegria àqueles que a recebem: “Pois quando a tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança estremeceu de alegria em meu ventre.” (Lc 1,44). Creio que estas palavras na Bíblia da pesquisadora devem estar apagadas por um problema de impressão. Deve ser por isso que ela não conhece estes belos textos.

 

Folha Universal:

Católico: “…e eu fico felicíssimo em saber que você continuará a atacar os católicos, pois nós vamos continuar a ser maioria sempre…”

Resposta: Você fica feliz que eu continue a “atacar os católicos” (ora, ataco apenas o sistema católico e, não os infelizes, enganados pelo sistema). Pelo contrário morro de pena deles porque ficam bajulando o papa e os outros mentirosos da hierarquia romana, enchem o Vaticano de dinheiro e depois… vão todos torrar no inferno. Porque purgatório não existe, a não ser nos documentos papais com a intenção de se abastecer de grana à custa dos idiotas…

 

Carlão:

No quinto parágrafo, a senhora Mary Schultze diz que não ataca aos católicos, que considera uns idiotas. E afirma ainda que o Purgatório não existe, a não ser nos documentos papais. Novamente eu digo que se faz necessário um estudo, mesmo que mínimo, para se escrever sobre qualquer coisa. Vamos então, junto comigo, conhecer os textos em que a Bíblia se refere ao Purgatório. O Purgatório é um estado em que a alma vai se encontrar se, após a morte, não estiver totalmente purificada. Mesmo com o lugar no céu garantido, a alma no Purgatório sofrerá o arrependimento de suas más ações e se converterá totalmente. Mais uma vez percebemos o grande amor de Deus para com a gente. Mesmo terminada a caminhada terrestre, Deus nos abre uma esperança de salvação. Sabemos que no céu “jamais entrará algo de imundo” (Ap 21,27), o que significa que após a morte, praticamente ninguém está preparado para ir para céu, pois somos todos pecadores. Sem o Purgatório para nos purificar, ninguém entraria no céu. Em ICor 3,15 lemos: “Aquele porém, cuja a obra for queimada perderá a recompensa. Ele mesmo, entretanto, será salvo, mas como que através do fogo.” Este fogo é o fogo do arrependimento que no inferno dura para sempre. Jesus explica que antes que cheguemos ao tribunal (a morte), façamos o bem, para que após o julgamento, não caiamos na prisão: “Em verdade te digo: dali não sairás, enquanto não pagares o último centavo.” (Mt 5,26). Explicando sobre o pecado contra o Espírito Santo, Jesus confirma novamente o Purgatório: “…mas se disser contra o Espírito Santo, não lhe será perdoado, nem neste mundo, nem no vindouro.” (Mt 12,32b). É bem claro. Podemos ser perdoados agora, como podemos ser perdoados no próximo mundo, exceto o pecado contra o Espírito Santo. Este próximo mundo com a possibilidade de perdão não é outro a não ser o Purgatório.

 

Folha Universal:

Será que Maria aprovaria isso? Talvez… as “Nossas Senhoras” pagãs do catolicismo até aprovassem. Porque a Maria da Bíblia, a simples e dócil mãe de Jesus, era uma mulher honesta…Esses prelados que os católicos consideram como santos e vivem lhes beijando os pés, irão todos para o inferno e nisso eu apostaria até a minha alma… Se pudesse fazê-lo. Mas não posso ir para o inferno, nem mesmo querendo, pois o Pai me deu a Jesus e, portanto, Ele jamais me jogaria fora…

 

Carlão: Por várias vezes, a pesquisadora condena os católicos ao inferno. Inclusive, no oitavo parágrafo, ela aposta a sua alma, pois tem certeza disso. Mas ela acrescenta que não pode apostar a sua alma, pois já está salva. Está salva por quê? Por que tem fé? Cuidado com isso! A salvação nunca foi apenas ter fé. Tiago pergunta: “Acaso a fé poderá salvá-lo?” (Tg 2,14b) e completa com uma grande verdade: “Tu crês que há um só Deus? Ótimo! Lembra-te, porém, que também os demônios crêem, mas estremecem.” (Tg 2,19). Nunca podemos ser tão pretensiosos ao afirmarmos que já estamos salvo. Em hipótese alguma! Nós não podemos nos salvar sozinhos. Em nenhuma parte da Bíblia está escrito que apenas aceitando a Jesus como Salvador já estamos salvos. Isso é errado. São Paulo, que teve cara-a-cara com Jesus na sua conversão, nunca disse que já estava salvo, pelo contrário: Trato duramente o meu corpo e reduzo-o a servidão, a fim de que não aconteça que, tendo proclamado a mensagem aos outros, venha eu mesmo a ser reprovado.” (ICor 9,27). Isso é presunção de alguns desinformados.

 

Folha Universal:

Católico: “… falsos profetas cuja consideração aos fiéis é proporcional à sua conta bancária… Ah! Não se preocupe, não quero ser obreiro da Igreja Universal!”

Você acha que o Bispo Macedo iria aceitar um hipócrita e mentiroso como você no quadro de obreiros da Universal? Olhe aqui ó mentecapto desconjuntado, eu sou batista, mas se tivesse que escolher entre ser líder católica, como fui muitos anos por ignorância bíblica, e ser uma obreira da IURD, mil vezes eu me sentira honrada em ser uma obreira da IURD, como tenho uma neta que é, porque na IURD nunca ninguém matou ninguém e sua Igreja já matou cerca de meio bilhão de inocentes. Sabia? Quem sabe um dia ainda serei a Bispa Schultze da IURD, hein…?

 

Carlão:

No décimo parágrafo, a pesquisadora que se diz da Igreja Batista, afirma que a Igreja Católica já matou cerca de meio bilhão de inocentes. Com algum exagero, ela está se referindo a Inquisição e outros pontos mais. Não estou aqui querendo encobrir os erros da Igreja Católica. De jeito nenhum. Mas não podemos ficar segurados ao passado e por isso condenar toda a Instituição. Sabemos que a Igreja condenava à morte aquelas pessoas que não acreditavam em sua pregação. Isso foi um erro? Foi. Mas como explicar que Moisés mandou matar três mil homens por questões disciplinares (Ex 32,27-28)? Em I Rs 18,22-40 lemos que Elias matou 450 homens porque eles praticavam heresias. Jesus também usou da força física para zelar pela fé de seu povo como podemos ler em Mt 21,12-13. Mas e os cristãos católicos que foram mortos durante anos e mais anos com o único objetivo de evangelizar? Não se esqueça que a Igreja Católica carregou o nome de Jesus sozinha durante 1500 anos, e que por causa disso, muitos foram os martirizados por causa do nome de Jesus. Vocês, no entanto, esquecem os mártires e olham apenas os pecadores.

Folha Universal:

Católico: “Que Deus tenha compaixão da sua alma e de sua pobreza de espírito…” 

Quanto à minha pobreza de espírito, é uma bem-aventurança. Por que não lê Mateus 5,3 e outros?

 

Carlão:

No décimo segundo parágrafo mais uma vez a pesquisadora cometeu uma gafe. Quando a chamaram de “pobre de espírito” ela diz se sentir honrada, pois é uma bem-aventurança. Para confirmar isso, ela nos manda ler Mt 5,3. Bom, eu li e vi que não é nenhuma bem-aventurança ser pobre de espírito. Jesus diz: “Bem aventurados os pobres em espírito” que é uma coisa totalmente diferente de pobre de espírito. Mais uma vez eu repito a importância que tem o estudo antes de escrever para um jornal, e não digo agora sobre um estudo bíblico, mas também um estudo de Português. Especialmente quando é para um jornal “a serviço de Deus”.

São por estes poucos detalhes que lhes escrevi isto. Agora eu quero dar uma palavrinha com a senhora pesquisadora de religião. Você diz que foi líder católica. Digo-te que líder você pode até ter sido, mas o que você nunca foi é católica. E nunca mesmo! Você não era mais do que uma freqüentadora dos bancos da Igreja Católica. E só! Falo isso com certeza pois através de seu texto, você demonstrou claramente que não tem conhecimento algum da Bíblia, ou melhor, que você tem apenas um conhecimento protestante da Bíblia. Pois só isso que você é: protestante. Mas percebemos que sempre houve quem protestasse. João escreveu em sua Primeira Carta: Eles saíram de entre nós, mas não eram dos nossos. Se tivessem sido, teriam permanecido conosco. Mas era preciso que se manifestasse que nem todos eram dos nossos.” (IJo 2,19). Paulo também falou dos que protestam: “Eles (os que protestam) se desviaram da verdade… estão pervertendo a fé de vários. Apesar disso, o SÓLIDO FUNDAMENTO COLOCADO POR DEUS (a Igreja Católica) permanece.” (IITm 2,18-19). E quando falar de Maria, procure antes pensar duas vezes. Nenhuma outra pessoa teve um contato tão intimo e profundo com Deus. Lembre-se também que você carrega um pedacinho de Maria, ou de onde acha que veio o seu nome: Mary? É uma pena que você não esteja participando de uma tão linda profecia bíblica: “Sim! Doravante todas as gerações me chamarão de bem-aventurada”. (Lc 1,48).

E aos senhores responsáveis pelo jornal: Natal Furucho, Marcos Vinícios, Carlos Rodrigues, Romoaldo Panceiro, Clodomir Santos e Jorge Saldanha de Araújo, não saiam publicando qualquer coisa. Procurem analisar o texto e veja se ele vai de acordo com a Bíblia. E mais: selecionem com mais cuidado os colunistas. O jornal pode perder o resto da pouca credibilidade que tem por causa de textos sórdidos como este da senhora Mary. Se por acaso vocês precisarem de alguma orientação bíblica, não deixem de entrar em contato comigo. Não sou da Universal e nem quero ser, mas é meu dever orientar. Não sou padre, nem diácono e nem seminarista. Sou um simples leigo da Igreja Católica. Mas repito: se precisarem de alguma orientação não deixem de falar comigo. Pois um jornal “a serviço de Deus” não pode publicar tantos erros de Teologia.

Mas também, o que se pode esperar de um jornal e de uma igreja que pregam que o inferno é no centro da terra e que suas portas estão num vulcão da Sibéria?

Um abraço a todos vocês! Fiquem na paz de Jesus e sigam o exemplo do amor de Maria.

Resposta de Mary Schultze à carta (por e-mail):

Recebi sua carta e gostei muito da mesma. Detesto gente burra, adoro gente inteligente e culta como você. Não posso contestar as doutrinas do seu e-mail hoje, porque estou indo ao Oftalmologista marcar uma cirurgia de catarata (tenho 70 anos e nunca fui a um hospital) e não poderei escrever-lhe tão cedo. Lamento! Mas logo estarei em forma e, então, terei prazer em bater muitos papos amigos com você.

Vou tentar enviar sua carta a dois amigos meus – um é professor da Universidade da Paraíba e o outro é um teólogo português. Quem sabe, eles irão responder seus comentários!

Sabe que somos quase vizinhos? Moro em Teresópolis.

Vamos trocar informações e tenho a certeza de que mesmo que você continue católico não vai para o inferno simplesmente porque ama a Palavra de Deus. Quem sabe eu arrumo um cantinho na Folha Universal para você? Ah, na adianta pedir que a Folha me dispense, pois sou prima do Bispo Macedo e ele jamais iria me dispensar. Ontem mesmo chegou um e-mail dele dos States me pedindo matéria. Portanto tenho um certo prestígio com o “Papa Edir I” e não adianta querer me queimar. Lamento muito! Ele me ama e eu o amo muito.

Abraços na paz e no amor de Cristo.

Mary Schultze.

Hoje, Mary não mais participa da Folha Universal; foi despedida por precisarem de mais espaço no jornal (isto me disseram quando liguei para a redação do jornal…). Não tenho mais contato com ela e aguardo até hoje as repostas à minha carta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!